Luz Eterna

"Que possamos ter serenidade necessária para aceitarmos aquilo que não podemos mudar... Coragem para mudar aquilo que podemos... E sabedoria para distingüir uma das outras...Phatae!"

abril 26, 2005

Campo Magnético e a Lei de Ação e Reação (Carma)

Durante algum tempo, tentei imaginar um modelo físico que facilitasse a visualização das repetições porquê desse comportamento em algumas pessoas e não em outras. Ouvimos sempre falar do “carma” que alguns têm, que é muito pesado e o de outros que é mais leve, afinal o que nos atrai para determinadas situações?


Primeiramente, é necessário entendermos o que é o campo magnético e como ele funciona. Um campo qualquer existe numa região do espaço que circunda um corpo que possui determinadas propriedades. Assim, um campo gravitacional existe em torno de um corpo que tem massa, um campo elétrico existe em torno de um corpo que tem carga elétrica e um campo magnético existe em torno de um corpo que possui propriedades magnéticas. Quando um outro corpo penetra a região do espaço onde existe um campo e ele possui as mesmas características que geraram esse campo, passa a sofrer sua ação. Trocando em miúdos, um corpo eletrizado será atraído ou repelido ao ser colocado na presença de outro também eletrizado, ele estará sofrendo as forças elétricas ao ser colocado num campo elétrico. É fundamental entendermos que todos nós possuímos um campo magnético à nossa volta e, através dele, interagimos com os outros. Nossas simpatias, aversões, desconfianças, e impulsos, geralmente nos vêm de atrações ou repulsões magnéticas. Antes mesmo de conhecermos alguém ou vivenciarmos alguma situação, temos o “insight” à respeito do que está por vir. Nosso campo magnético está sempre adiantado em relação às nossas percepções sensoriais.



Ao experimentarmos a vida aqui no Planeta, assumimos a “dualidade” que é característica desse nosso plano e que, apesar de não lembrarmos, foi de nossa própria escolha. Essa dualidade nos faz lidar com situações “positivas” e “negativas” ao longo de nossas diversas encarnações por aqui. Quando nos deparamos com situações extremamente adversas, sofremos um “trauma” que causa, normalmente, perda energética e nos deixa presos àquele episódio, naquele ponto do espaço e do tempo. Os sentimentos que nos deixam aprisionados são sempre de baixa vibração, geralmente são sentimentos de culpa, vergonha, raiva, vingança, etc, e a quantidade de energia despendida permanecerá naquele momento, enquanto o “resto de nós” seguirá em frente, com uma “fenda” no corpo energético.



Dependendo da intensidade das experiências, essas fendas são maiores ou menores, mas o que imediatamente nos vem à mente, é que elas precisam ser preenchidas novamente para que possamos ter nossa integridade restituída. A nossa sintonia com o amor foi quebrada e adquirimos um carma.



Algumas pessoas se utilizam de uma habilidade que todos têm, mas poucos usam, que é a de olhar para os acontecimentos com um olhar amoroso ou se preferirmos, com um olhar positivo e a partir dessa observação, eliminam de dentro de seus corações todos os sentimentos de baixa vibração, “perdoando” e seguindo em frente, fechando automaticamente aquele espaço vazio e recuperando sua integridade energética. Esses, não adquiriram “carma negativo”, pois resolveram o problema ali mesmo e encerraram a experiência positivamente. Quem não consegue ter o olhar de isenção, se fecha para o fluxo do amor regenerador e seu campo magnético passa a atuar como um imã que irá atrair situação semelhante à que originou o “trauma inicial”, na mesma vida ou em outras, até que através do entendimento, da transformação do ponto de vista do perdão, aquela energia perdida lá atrás, possa voltar ao seu local de origem.



É compreensível então, que nesse ponto atual da evolução humana, vejamos tantas pessoas perdidas e sofrendo, pois através das várias experiências ao longo do tempo, foram deixando para trás tantos “pedaços” seus que já nem lembram de quem são. Se pudermos visualizar mentalmente seus corpos energéticos, veremos uma malha com muitos furos, cada um deles causando dor e saudade de si mesmos e atraindo, através de seu campo magnético, o mesmo tipo de acontecimento que os originou.



A sensação de solidão que assola quase toda a humanidade vem da perda da “unidade” e a procura em pessoas ou coisas externas, do que na verdade falta em nós mesmos e foi abandonado em algum ponto da jornada, na maioria das vezes, causa mais problemas do que soluções. Seres incompletos, raramente são capazes de dar ou receber amor verdadeiro e vão causando mais danos onde passam. Podemos mudar todo esse quadro se realmente entendermos o que é necessário encarar toda e qualquer experiência como um aprendizado que SEMPRE traz conseqüências positivas e que só com um olhar amoroso podemos observar o mundo, “aceitando” como ele é, sem julgamentos, pré-julgamentos, culpas vergonha ou mágoas. Quando estamos completamente sintonizados com a nossa “Unidade”, quando não há mais carmas negativos, nosso campo magnético atrai situações de plenitude e abundância em todos os níveis, pois a energia do Amor é a nossa verdadeira essência e qualquer outra de menor vibração, não nos pertence, faz parte da ilusão, na qual mergulhamos de livre e espontânea vontade.

Fonte: Jornal o Prana – Universo Holístico – Ed. De Abril

Por Márcia Caminada - Física

PHATAE

Visite o site www.phatae.com



PHATAE significa "Paz, HArmonia, Tranquilidade, Amor e Equilíbrio", sendo assim, não há área em nossas vidas em que não precisemos de Phatae.

Phatae é uma característica existente em todos nós, ao qual temos como finalidade de vida, a redescoberta. Passamos a nossa vida inteira, redescobrindo. As vezes, quando estamos passando por algum tipo de problema, esquecemos de olhar a situação como realmente ela é, pois um "problema" nada mais é do que uma possibilidade de melhora, uma oportunidade de cresci-mento... uma LIÇÃO a ser apren-dida!

Devido aos "problemas" causados pela modernização, vida agitada, estresse, individualização, com-petitividade, dentre outros milhares de fatores que nos fazem direcionar a nossa atenção ao "EXTERNO", esquecemos cada vez mais desse sentimento de Phatae em nossas vidas, esquecemos de olhar para a verdadeira solução de nossos problemas, esque-cemos de nosso Eu Interior.

A melhor maneira de adquirir Phatae em nossas vidas é através do auto conhecimento e da expansão de consciência. Temos de aprender de uma vez por todas...tudo que vem do "EXTERNO" é "Falso Poder", pois somente o que vem do "Interno" é "Poder Absoluto" e a felicidade que é baseada no "Externo" só existe enquanto o objeto do externo existir, mas a felicidade baseada no "Interno" é eterna, pois não está sujeita a causas, temporaneidade e é baseada naquilo que somos e não no que temos...ISSO É PHATAE!

Por Rogério Pires
Psicoterapeuta e Terapeuta Holístico
www.phatae.com

abril 19, 2005

Ectoplasma

Ectoplasma
(Mediunidade de efeitos físicos)

Jorge Ândrea

Resumo: - Este pequeno ensaio sobre Ectoplasmia faz referências iniciais sobre o significado do título e os pesquisadores que contribuíram na elucidação do processo. Procura mostrar o que é ectoplasma e o resultado de algumas análises realizadas. Apresenta o conceito bioquímico que pode responder pelo processo, onde o ATP, elemento bastante difundido no metabolismo celular e resultante do ciclo de Krebs, seria uma das unidades chaves na formação da substância ectoplásmica.

Na moldagem de objetos ou seres humanos, com propósitos bem definidos, terá de existir o campo de energias responsável pela congregação e orientação das moléculas do ectoplasma, traduzido num verdadeiro campo-organizador, consciente e inteligente pelo que demonstra, representando o agente Psi-Theta (Espírito) ou campo espiritual.

A ectoplasmia, conhecida de modo mais popular como fenômeno de materialização, pelos estudos realizados e experiências criteriosas há um século aproximadamente, ainda em despertando o mais expressivo interesse da área cientifica. Foi Charles Richet quem utilizou a denominação diante das pesquisas realizadas em sua época.

A Parapsicologia, com os conhecimentos dos dias atuais, tem por obrigação fazer a abordagem da temática, no capítulo dos fenômenos Psi-Theta. Devido à existência de inúmeros fatos a ectoplasmia não pode ser relegada ao desconhecimento ou mesmo falta de interesse como desejam algumas posições sectaristas.

A ciência avalia os fenômenos de ectoplasmia com desconfiança. Como todo fenômenos Psi-Theta, não pode ser controlado de acordo com as diretrizes e vontade do pesquisador. Essa fenomenologia, em que os agentes Psi-Theta (Espíritos) participam, é quase sempre fugaz, de difícil abordagem e controle, pela presença de inúmeros fatores que se desenvolvem em dimensão diversa daquela que a metodologia cientifica pode avaliar e controlar.

Laboram nestes fatos inúmeros pesquisadores dos quais lembramos: Albert Coste em 1895;Alexandre Aksakof em 1895; Paul Gibier em 1898;Williams Crookes em 1899 e 1923;Gabriel Delanne em 1909 e 1911 e muitos outros.

Os autores são categóricos em afirmar a inconteste existência dessa mecânica, onde dois elementos entram, indiscutivelmente, no processo: o ectoplasma e o agente orientador para que a moldagem se observe. De um lado, a matéria ectoplásmica, fugaz e vaporosa e, do outro, o campo organizador da forma ( campo espiritual) às expensas do qual o ectoplasma se distribui em adequada moldagem.

Ektós ( do grego) - por fora; plasseinforma. O vocábulo ectoplasmia passa a definir, com mais precisão do que o termo materialização, a formação de objetos e pessoas, em ambiente apropriado, às expensas da substância especifica doada pelos sensíveis ou médiuns (ectoplasma).Devemos fazer diferença do termo ectoplasma empregado em biologia para designar a região mais externa do protoplasma celular, do significado parapsicológico do presente escrito.

O ectoplasma é substância amorfa, vaporosa, com tendência a solidificação pela evolução do fenômeno, tomando forma por influencia de um campo-organizador especifico. Facilmente fotografado; de cor branco acinzentado; vai desde a névoa transparente à forma tangível; de aspecto semelhante aos tecidos vivos oferecendo sensação de viscosidade e frieza.

O ectoplasma foi analisado por vários pesquisadores dos quais destacamos as seguintes conclusões:

Dr.V. Dombrowsky (Varsóvia) - "O ectoplasma está constituído de matéria albuminóide, acompanhado de gordura e de células tipicamente orgânicas. Não foram encontrados amiláceos e açúcares".

Dr. Francês ( Munich) - "Substância constituída de inúmeras células epiteliais, leucócitos e glóbulos de gordura".

Dr. Albert Scherenk-Notzing citado por Charles Richet - "O ectoplasma está constituído por restos de tecido epitelial e gorduras".

Dr. Hernani G. Andrade - "O ectoplasma é Substância formada com recursos da natureza originando-se dos tecidos vegetais (ectofiloplasma) e de origem animal (ectozooplasma) e de origem mineral (ectomineroplasma)".

Muitos autores que analisaram a substância encontram células anucleadas em sua constituição. O ectoplasma seria substância originária no protoplasma das usinas celulares, onde o ATP( trifosfato de adenosina) teria expressiva participação, ao lado de outros elementos. Dessa forma, não podemos deixar de considerar a importância do fósforo nas atividades bioquímicas orgânicas e, consequentemente, no desenvolvimento do processo ectoplásmico em suas especificas dosagens. No dizer do professor Aldemar Brasil: " Em síntese, o ATP, que eqüivale por cada ligação piro-fosfática desgarrada de sua molécula, a mais ou menos 7.500 kcal, é a unidade usada em biologia para expressar a transferência de energia oriunda do ciclo de Krebs, e de outras fontes. No ciclo de Krebs, também denominado de ciclo dos ácidos tri-carboxílicos, a energia é libertada pela transferência de elétrons para a cadeia respiratória, provindos de substratos em que o hidrogênio é ativado, desgarrado e transportado com seu elétron até o oxigênio, também ativado ao receber esses elétrons, formando-se, então, a água. Para tanto, no ciclo de Krebs há processos de descarbolização, desidrogenação, etc., operados por enzimas especificas ativadas por coenzimas determinadas".

Qual o mecanismo criativo do ectoplasma na organização do agente doador (sensível ou médium)?Claro que seria uma condensação energética apropriada transformando-se em matéria. A informação de André Luíz, em "Mecanismos da Mediunidade", é bastante lógica e sensata: "O ectoplasma resulta de um processo de desagregação molecular formado por forças desconhecidas, ao mesmo tempo que o fenômeno fica sob controle de campos de forças organizadoras capazes de reagrupar as moléculas segundo um modelo determinado. "O fenômeno de ectoplasmia, é preciso que se diga, é fenômeno de plasmagem e não de criação de matéria. A plasmagem se dará às expensas da substância (energia) fornecida pelo médium que, a pouco e pouco, atingirá o processo de condensação, voltando à sua fonte por mecanismo inverso. Temos como certo, também, que o ectoplasma é substância que, além de fornecida pela organização humana (médium), será plenamente enriquecida (completada) com outros elementos da natureza provindos dos vegetais e de outras matérias orgânicas, de origem animal, numa especifica arregimentação.

Os chamados processos de ectoplasmia investem complexa mecânica, de difícil avaliação pelos atuais métodos que a ciência pode oferecer. Para que o fenômeno se observe e seja bem equacionado, haverá necessidade de lembrarmos o conceito de Claude Bernard de que na usina celular opera-se a totalidade dos fenômenos vitais, muitos dos quais transcendem a avaliação pelos nossos sentidos. A maioria desses fenômenos bioquímicos, mormente da esfera da ectoplasmia, estariam ligados aos compostos fosforados e suas correlações com as enzimas e hormônios.

No núcleo celular existiriam fontes especificas de energia, ligadas ao ADN e ARN (ácido desoxirribonucleico e ribonucleico), a comandarem os processos metabólicos mais expressivos no soalho protoplasmático. O elemento participante ativo desse processo de formação de energias no corpo celular seria o ATP ( trifosfato de adenosina), resultante do ciclo de Krebs.O ATP, sendo a primordial fonte de energia nos processos celulares, estaria comprometido na formação do ectoplasma. Esse processo de doação do ATP traduziria uma "qualidade especifica" do médium na manifestação da fenomenologia paranormal de efeitos físicos. Haveria, neste caso, por intermédio das organizações celulares, uma maior irradiação dessas energias, que se tornariam mais expressivas nas reuniões destinadas a esse tipo de trabalho. Isto mostraria a influência dos participantes da equipe (encarnados e desencarnados) concorrendo no maior fornecimento da substância ectoplasmática por parte dos que apresentam essa possibilidade. Quando a quantidade de substância irradiativa fosse bem expressiva, já fora da fonte de origem, poderia mostrar-se sob forma gasosa visível (nuvem), por um processo de condensação, constituindo material especializado e com possibilidades de aproveitamento nos mecanismos em pauta.

No denominado passe energético, muito utilizado nas casas espíritas sob forma de fluidoterapia, acreditamos que esses elementos de irradiação, devidamente elaborados pelo psiquismo, carregam em seu bojo quase que especificamente energias originárias no ATP da usina celular. Ainda mais, este material de doação energética, passando à dimensão física por condensação, poderá ser aproveitado pelas Entidades Espirituais na vestidura de seus campos de forças nos trabalhos especializados da ectoplasmia.

Assim, essa substância, o ATP, deverá fazer parte do ectoplasma e, na medida que o processo se desenvolve por condensação, vai oferecendo as naturais modificações químicas pela queima da molécula fosfórica que permitirá a ectoplasmia luminosa; por tudo, podemos avaliar a importância do fósforo, em suas múltiplas combinações, no mecanismo da ectoplasmia.

Esclarecemos que o processo da ectoplasmia revelando o aparecimento de um ser humano (Espírito envolto no ectoplasma) não representa exclusivamente a vestidura com ATP. Haveria, na massa ectoplásmica, em sua constituição, pelo alto teor de energias que carrega consigo, outros elementos orgânicos das próprias células ou mesmo substâncias arrecadadas na Natureza, em especificas reações químicas, às expensas de equipes espirituais que participem do processo.

Chepelle, descobriu que o mecanismo de emissão de luz dos pirilampos (vagalumes) estaria ligado a uma enzima, a luciferase, quando oxidada pela luciferina. Neste mecanismo não haveria participação ativa do ATP celular? Não existiria, neste processo, uma correlação, pelas reações afins, de doação de energias embora em degrau bioquímico diverso, com a mecânica da ectoplasmia?

Na ectoplasmia a bioquímica seria mais avançada e onde deverá existir uma participação toda especial das camadas profundas do psiquismo do doador, sem que a vontade e o raciocínio da zona superficial ou consciente possam interferir. Isto não quer dizer que a zona do inconsciente ou espiritual do doador ou médium seja a responsável pelo processo ectoplásmico, mas uma zona orientadora dos mecanismos psicológicos e parapsicológicos. Só haverá ectoplasmia de um ser humano quando o campo inteligente do agente Psi-Theta, ou campo espiritual, comandar o processo. O inconsciente ou psiquismo de profundidade do médium dirige o seu próprio metabolismo e quimismo, mas, nunca a moldagem externa do objeto. A substância ectoplásmica, ao definir a morfologia humana, terá que sofrer a influência orientadora dos vórtices inteligentes do agente modelador que, de acordo com a necessidade e possibilidade, traduzirá o processo de modo parcial ou total, a fim de atingir a sua finalidade.

As variedades de ectoplasmia são inúmeras e com tonalidades especificas. Existem moldagens tão marcantes da parte do doador (médium), que o campo modelador não consegue efetivar com precisão as suas próprias características, mostrando semelhança com o corpo do médium; é como se o médium reforçasse o mecanismo com substância pré-moldada, isto é, o seu corpo astral (matéria orgânica especifica irradiante) fosse projetado na massa ectoplásmica em processamento. Isto tem criado muita celeuma quanto à validade do processo. Aqui não cabe a discussão do problema.

Além das variedades parciais ou totais, a ectoplasmia poderá ser opaca ou luminosa. Neste último caso, pela iluminação da forma em exposição, devido à queima do fósforo, será apreciado, com detalhes, pela nossa visão, a aparição. Sabemos que os processos da ectoplasmia, em sua maioria, necessitam da ausência de luz branca para a sua realização; esta como que desorganiza o processo, o que não acontece com a faixa luminosa do vermelho, até recomendado nas câmaras de ectoplasmia.

Concluindo: a ectoplasmia encontraria no ATP das células uma das substâncias especificas para as próprias moldagens. E, estas, só seriam possíveis com a presença do campo-organizador-orientador do agente Psi-Theta ou Campo Espiritual.

Revista Presença Espirita, nov. de 1980.

abril 11, 2005

Divina Proporção - Número Phi

Todos nós já ouvimos falar em número PI. É o irracional mais famoso da história, com o qual se representa a razão constante entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro. Não confundir com o número Phi.
O número Phi (letra grega que se pronuncia “fi”) apesar de não ser tão conhecido, tem um significado muito mais interessante. Durante anos o homem procurou a beleza perfeita, a proporção ideal. Os gregos criaram então o retângulo de ouro. Era um retângulo, do qual havia-se proporções... do lado maior dividido pelo lado menor e a partir dessa proporção tudo era construído. Assim eles fizeram o Pathernon... a proporção do retângulo que forma a face central e lateral. A profundidade dividia pelo comprimento ou altura, tudo seguia uma proporção ideal de 1,618.
Os Egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides cada pedra era 1,618 menor do que a pedra de baixo a de baixo era 1,618 maior que a de cima, que era 1,618 maior que a da 3a fileira e assim por diante.
Bom, durante milênios, a arquitetura clássica grega prevaleceu O retângulo de ouro era padrão mas depois de muito tempo, veio a construção gótica, com formas arredondadas que não utilizavam o retângulo de ouro grego. Mas em 1200...
Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o crescimento das populações de coelhos criou aquela que é provavelmente a mais famosa seqüência matemática a Série de Fibonacci.
A partir de 2 coelhos, Fibonacci foi contando como eles se aumentavam a partir da reprodução de várias gerações e chegou numa seqüência onde um número é igual a soma dos dois números anteriores 1 1 2 3 5 8 13 21 34 55 89...
1+1=2
2+1=3
3+2=5
5+3=8
8+5=13
13+8=21
21+13=34...E assim por diante.
Aí entra a 1ª "coincidência"; proporção de crescimento média da série é... 1,618. Os números variam, um pouco acima às vezes, um pouco abaixo mas a média é 1,618, exatamente a proporção das pirâmides do Egito e do retângulo de ouro dos gregos.
Então, essa descoberta de Fibonacci abriu uma nova idéia de tal proporção que os cientistas começaram a estudar a natureza em termos matemáticos e começaram a descobrir coisas fantásticas.
-A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos em uma colméia é de 1,618;
-A proporção que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618;
-A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais sementes de um girassol é de 1,618;
-A proporção em que se diminuem as folhas de uma arvore a medida que subimos de altura é de 1,618;
-E não só na Terra se encontra tal proporção. Nas galáxias as estrelas se distribuem em torno de um astro principal numa espiral obedecendo à proporção de 1,618 também.
Por isso, o número Phi ficou conhecido como A DIVINA PROPORÇÃO. Porque, os historiadores descrevem que foi a beleza perfeita que Deus teria escolhido para fazer o mundo.
Bom, por volta 1500 com a vinda do Renascentismo à cultura clássica voltou à moda... Michelangelo e principalmente Leonardo da Vinci, grandes amantes da cultura pagã, colocaram esta proporção natural em suas obras. Mas da Vinci foi ainda mais longe; ele como cientista, pegava cadáveres para medir a proporção do seu corpo e descobriu que nenhuma outra coisa obedece tanto a DIVINA PROPORÇÃO do que o corpo humano... obra prima de Deus.
Por exemplo:
-Meça sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até o chão; o resultado é 1,618.
-Meça seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo até o dedo; o resultado é 1,618.
-Meça seus dedos, ele inteiro dividido pela dobra central até a ponta ou da dobra central até a ponta dividido pela segunda dobra. O resultado é 1,618;
-Meça sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até o chão. O resultado é 1,618;
-A altura do seu cranio dividido pelo tamanho da sua mandíbula até o alto da cabeça. O resultado 1,618;
-Da sua cintura até a cabeça e depois só o tórax. O resultado é 1,618;
(considere erros de medida da régua ou fita métrica que não são objetos acurados de medição).
Tudo, cada osso do corpo humano é regido pela Divina Proporção.
Seria Deus, usando seu conceito maior de beleza em sua maior criação feita a sua imagem e semelhança?
Coelhos, abelhas, caramujos, constelações, girassóis, arvores, artes e o homem; coisas teoricamente diferentes, todas ligadas numa proporção em comum.
Então até hoje essa é considerada a mais perfeita das proporções.
Meça seu cartão de crédito, largura / altura, seu livro, seu jornal, uma foto revelada.
(lembre-se: considere erros de medida da régua ou fita métrica que não são objetos acurados de medição).
Encontramos ainda o número Phi nas famosas sinfonias como a 9ª de Bethoven e em outras diversas obras.
Então, isso tudo seria uma coincidência?...ou seria o conceito de Unidade com todas as coisas sendo cada vez mais esclarecido para nós?
O que vc acha disso tudo??...deixe seu comentário...
Rogerio Pires
Terapeuta e Psicoterapeuta Holístico
Presidente do Grupo Phatae
www.phatae.com

abril 08, 2005

Cinturão de Fótons

O que é?

O Cinturão de fótons e a irradiação Manásica que o acompanha, é composto por micro-partículas de luzes e atua como se fosse uma hélice. Também é conhecido como Nuvem de fótons. Do ponto de vista científico, é o movimento do Sistema Solar ao redor do Sol Central (Alcyone). Ele vem da constelação de Plêiades. Esse movimento cíclico, dura 25.860 anos para completar sua órbita ao redor de Alcyone. Durante esse tempo, nosso Sistema passa duas vezes pelo Cinturão de fótons (uma vez para o Norte, outra para o sul). A cada 12.400 anos, uma parte dessa hélice, passa em nosso Sistema e em outros também.

Durante esse ciclo, há dois períodos, com aproximadamente 10.500 anos cada um, de trevas, (mais um período extra de 430 anos). Após cada 10.500 anos, temos 2.000 anos de luz total, (Cinturão de fótons), que começará, para o nosso Sistema, no ano 2.000.
Importância Espiritual e Consciência Crística

O Planeta Terra, como um planeta especial, foi o veículo escolhido para recolher, assimilar e transformar toda a negatividade do Sistema Solar. Através de nossas experiências individuais e coletivas, pensamentos, ações e reações, o Criador pode experimentar e dominar as complexidades e perigos das trevas. Desta forma, devemos entender que o Cinturão de fótons e a vibração manásica são veículos de transformação e transmutação. Constituem uma barreira protetora para que nenhuma negatividade saia da Terra contaminando os níveis superiores. Presidindo, tudo isso, está o Cristo e suas energias Crísticas. Se estivermos em harmonia com essas energias, a medida que o Cinturão de fótons se aproxima, poderemos escapar de suas influências e da negatividade do Planeta.

Não nos recordamos, mas concordamos com essas experiências. Escolhemos vir para cá e nos propusemos a auxiliar na compreensão e domínio dessa negatividade, dessa energia supressora. Nem todos conseguem aprender rapidamente, alguns são resistentes, por esse motivo, muitos devem voltar várias vezes, até conseguirem. Assim, a cada ciclo, cerca de um terço da população tem êxito nessa missão.

Cristo e as energias Crísticas são mencionados em vários escritos antigos. As profecias maias afirmam: "o governo, a ciência e a religião, entrarão em colapso. A não ser que estejam preparados para aceitar e facilitar a consciência Crística". - Na Bíblia está escrito: "separarei o joio do trigo, as ovelhas das cabras". Podemos compreender como, a medida que o Cinturão de fótons e suas conseqüências se aproximarem, a humanidade será dividida. Aqueles que aceitarem a consciência Crística vindoura, as verdades sagradas serão o trigo. Os que não aceitarem, serão o joio. Tudo que for negativo, arcaico e obsoleto, sucumbirá.

Temos a oportunidade de alcançar a verdadeira realidade. Cumprir nossa tarefa, dominando a negatividade e libertando-nos dela assim como das ilusões, polaridades, julgamentos, ódio, avareza, egoísmo, cobiça, inveja, criminalidade e guerras. A escolha é de cada um: entrar em sintonia com as energias Crísticas e voltar para casa ou, caso contrário continuar num mundo de Terceira Dimensão, morrendo e reencarnando, tentando novamente o aprendizado de luz e o domínio da negatividade.

O Cinturão de fótons traz também a passagem do Planeta para a Quarta Dimensão, assim como outros planetas ascensionarão. Conforme a lei cabalística: "Como é em cima, assim é em baixo; como é em baixo, assim é em cima". Depois de 2.005 (cinco anos de Cinturão de fótons), atingiremos a Quinta Dimensão. Segundo os Livros Perdidos da Bíblia, (versão original e integral da Bíblia atual), o "segundo advento do Cristo, ocorrerá no ano de 2.005".

A transformação deverá ser de corpo e consciência, numa freqüência mais alta e mais intensa. Temos que realinhar nossa atual consciência.

Os nossos pensamentos são mais reais do que nossos corpos físicos devem ser, controlados e especificamente dirigidos. Somos o que pensamos e naquele momento, nos tornamos um livro aberto. Não conseguiremos mais esconder a maldade, desonestidade, luxúria ou o ódio. Nossos pensamentos serão projetados e todos poderão ver e ouvir. Dessa forma devemos retificar imediatamente, qualquer pensamento negativo, com amor, luz e perdão. Para evitarmos as penalidades inerentes ou, até mesmo, uma possível expulsão da realidade da Quarta Dimensão, de volta para a Terceira.

Mudanças na Terra

As conseqüências do Cinturão de fótons acontecerão não só com as pessoas, mas com todo o Planeta. Tudo será desarranjado para posterior reorganização. Somente será poupado o que estiver em consonância com a consciência Crística Divina. Muitas mudanças já estão acontecendo como: terremotos, maremotos, vulcões reativados, tufões, fortes alterações climáticas, ondas gigantes, etc.

Nosso Planeta, percorrendo hoje o espaço, tem uma velocidade calculada em cerca de 28.000 km/h. Quando entrarmos no Cinturão de fótons, alcançaremos uma velocidade de até 335.000 km/h. Haverá uma inversão dos pólos magnéticos: de uma rotação sentido horário, para o sentido anti-horário, aumentando, assim, a rotação do Planeta assustadoramente. Essa vertiginosa aceleração comprimirá o tempo e o espaço de forma inimaginável.

Nosso Sistema Solar gira em sentido anti-horário ao redor do Cinturão de fótons. A Terra gira, em torno de si mesma, no sentido horário (rotação) e ao redor do Sol no anti-horário (translação). Quer dizer, o Planeta está no anti-horário, em torno do Sol e também do Cinturão de fótons (negativo + negativo = positivo). O Planeta Terra está no negativo porque gira sentido horário em torno de si mesma, portanto estamos com a polaridade invertida.

O Sistema Solar está em interação, com o Cinturão de fótons, a mais de três anos. A Terra começou aproximadamente a partir de novembro de 1.999 entrar na faixa dos fótons, da radiação manásica. Muitas pessoas não agüentaram as conseqüências, pois não estavam devidamente preparadas.

Há uma década que falamos sobre o Cinturão de fótons e só a mais ou menos dois anos é que esse assunto foi divulgado em uma revista. A ciência, como os governos, não está interessada nessa divulgação, mas os fenômenos estão acontecendo e vão se intensificar cada vez mais. Alguns estudos prevêem que grandes meteoros cairão na Terra, os maiores estão previstos para 2.006, 2.014 e 2.027, mas essa informação não tem como ser comprovada.

A atuação do Cinturão de fótons, dura 4.000 anos. Pode trazer conseqüências positivas ou negativas, dependerá muito do ser humano. Já aconteceu com civilizações extintas como a dos egípcios, maias, Atlanta, etc.

A verticalização da Terra será outro fator que vai gerar grandes transformações. Causará enchentes, degelo do pólo, o nível dos oceanos subirão rapidamente, semelhante ao acontecido no dilúvio.

Muitas pessoas sucumbirão. Conforme as profecias, apenas um terço da população será salva (livres do Cinturão de fótons). São aqueles que fazem parte do Plano Dimensional e, conscientes ou não, tiveram um compromisso cósmico (missão). Estarão livres dos raios gamas, mas precisam despertar e aprender a manipulação da sua energia.

Essas transformações serão imprescindíveis para a purificação e graduação do Planeta. Quanto a nós, a graduação é uma questão individual de progresso físico, espiritual e mental.

Os seres estão preparando locais para abrigar aqueles que não estiverem preparados para ascensionar. Da mesma forma existe um planeta aproximando da Terra que a substituirá. Ele permanecerá na terceira dimensão e servirá de morada aos que vivenciarão mais 10.500 anos de trevas, reiniciando seu aprendizado de luz.

Mudança nas Pessoas

Para entrarmos no Cinturão de Fótons, deveremos também adaptar nossos corpos físicos em menos matéria, menos densidade, mais energia, criando um corpo de luz em unicidade com a Quarta Dimensão.

Nossos corpos serão re-arranjados e re-alinhados:

- Os chakras principais passarão de 07 para 12 ou 13;
- Aumento dos filamentos de DNA de 02 para 12 ou 13;
- Equilíbrio das energias femininas e masculinas;
- Aceleração de nossos átomos conforme o grau de luz e da consciência entrante;
- A nossa Glândula Pineal voltará ao seu tamanho de origem (passando do tamanho de uma ervilha ao equivalente a uma moeda de 25 centavos, aproximadamente).

O Bombardeamento de raios gama no átomo transformará elétrons e prótons em prósiton. Isso alterará toda a estrutura atômica, pois o átomo em interação com o fóton deixará sua estrutura semelhante à desses fótons. Nosso elétron tem uma carga inferior à do prósiton. Essa interação de antimatéria com o nosso elétron provocará uma mudança de negativo para positivo. Muda a polaridade, mas a carga continua igual. Dobra a potência, porém a diferença entre prótons e elétrons, continuará a mesma.

Essa transição faz com que nossas ondas cerebrais funcionem de maneira uniforme. Essa potencialização provocará uma ampliação de nosso campo eletromagnético. A interação com o Cinturão de fótons acontecerá, também no nosso metabolismo, como nos campos energético e físico, provocando uma mudança geral. Aceleração do pensamento num ritmo que o corpo não consegue acompanhar. Ficam sem sincronia. Para se corrigir essa diferença, é importante fazermos alguns exercícios mentais. Temos que alterar nosso metabolismo, nos imunizando contra doenças. A nossa vibração vai alterar o campo energético dos que estão a nossa volta (família, amigos), despertando e preparando-os para essa interação.

As pessoas com a freqüência cerebral abaixo de Beta, estarão vulneráveis a essas micro-partículas descargas positivas que vão interagir em nossas células. Como conseqüência, haverá um significativo aumento de ataques cardíacos fulminantes, doenças do coração em geral, tumores malignos, mortes súbitas de causa desconhecida e outros casos de igual gravidade. Se fizermos uma comparação histórica, podemos perceber o aumento desses sintomas, mas não podemos comprovar a relação com o cinturão de fótons.

A aproximação do Cinturão de fótons, já está causando, levemente, essa interação. Alguns veículos, do nosso cotidiano, auxiliam na atuação desses fótons nas pessoas (telefone celular, televisão e o computador). O celular, como a energia magnética é mais intensa que os demais aparelhos, joga esses fótons com mais facilidade. Para usufruirmos disso de forma benéfica, a vibração energética é essencial.

Preparação das Pessoas

Para passarmos pelo Cinturão de fótons e livrarmos dos raios gama, temos que estar com a freqüência cerebral acima de Beta (mais de 17 ciclos por segundo). Temos que buscar a evolução e preparação, não só para "escapar", mas também para ajudarmos o maior número possível de pessoas. O controle, emocional e mental, é imprescindível para alcançarmos a imunização.

Para que tenhamos a vibração adequada e energia apropriada, é que o nosso DNA está sendo alterado com o complemento GNA. Com o GNA ativo, poderemos atuar numa freqüência acima de Beta, vibraremos no Mental Superior. Por isso, alguns estudos, orientam acelerarmos nossa freqüência cerebral.

Quem estiver preparado, com vibrações positivas, poderá também auxiliar outras pessoas, pois vão interagir nas vibrações dos que estão por perto. Num grupo grande, havendo seis "preparados", poderão transmutar a energia de todos. É um trabalho de solidariedade e fraternidade.

Além da nossa "missão", enfrentaremos situações adversas, tais como:

- A descrença e o menosprezo das pessoas céticas;
- A influência dos seres negativos que tentarão atuar em nossas mentes, no plano Astral.
- Nós mesmos, com nossa insegurança, medos, traumas ansiedade, etc.

Temos que nos libertar dos sentimentos que impedem nosso crescimento, de acreditar em nosso potencial energético ou de aceitar as mudanças que acontecerão.

GNA


Nós temos o DNA, que é nosso código genético. O GNA é o complemento desse código, como se fosse o nosso DNA transmutado para energia. Então, o GNA é uma célula transformada em energia.

Algumas pessoas têm o GNA ativo, outras não. Quem nasceu a partir de 1971 já tem o GNA ativo. Quem nasceu antes, tem que ativá-lo.

Quando o GNA está em atividade, essa célula energética se desenvolve, ao ser desenvolvida, projeta-se ao oposto dela: ela estando à direita projeta energeticamente a sua correspondente à esquerda, na mesma posição. Por exemplo: se ela está a um centímetro da face, no pescoço, exatamente um centímetro do mesmo ponto ela vai transmutar outra célula, com a mesma energia. E o processo continua. Ela vai se projetando para cima, para baixo e assim sucessivamente, transmutando células-matéria em células-energia, até que todas sejam energia.
Todos os seres humanos têm um certo grau de paranormalidade, mas nem todos sabem usar essa energia psíquica. Manifestações paranormais de efeitos físicos (entortar, quebrar objetos) significam que você conseguiu desprender energia na matéria. E essa energia é desprendida com a ativação e o desenvolvimento do GNA.

Para ativar o GNA existem técnicas especiais, utilizando essas técnicas, qualquer pessoa pode ativá-lo, desenvolvendo a seu poder mental.

O GNA é necessário para acelerar nosso processo de evolução. Transmutar nosso metabolismo para energia, despertar nossa consciência, fazer com que acessemos o conhecimento cósmico. Nós estamos aquém de nossas reais capacidades mentais. A Espiritualidade nos diz que o ser humano existe nessa realidade com a intenção de redescobrir o seu Dharma (missão de vida) e assim cumpri-lo.

O mundo tridimensional bloqueia o nosso conhecimento, então é difícil desenvolvermos algumas capacidades psíquicas (vidência, a percepção, a premonição, a telepatia, a clarividência, tudo o que abrange o grupo psigama, a região livre do cérebro). Devemos trabalhar para favorecer esse "despertar".

Alguns estudos nos dizem que até o DNA se transformar em energia, ele terá doze hélices (e não apenas duas como atualmente). Doze filamentos que representarão os seis estágios evolutivos da alma.

As sensações de quem tem o GNA ativo normalmente são: enxaqueca constante, dor na região cervical, tensão na musculatura, o pescoço estala muito, zumbido nos ouvidos (uma pressão que não é arterial, nem é labirintite). Se a pessoa tem essas sensações, vai ao médico e não descobre nada, isso pode ser excesso de energia, pode ser o GNA em atividade.

EXERCÍCIOS: (Sempre em dupla - nº 1 e nº 2)

Verificação da Condição do GNA:

* Esfreguem as mãos;
* Esfregue o pescoço da pessoa no lado direito;
* Coloque a mão sobre o plexo solar da pessoa;
* Se o seu coração acelerar, significa que o GNA está ativado.

Como ativar o GNA:

* Ambos esfreguem as mãos;
* O nº 2 fecha as duas mãos;
* O nº 1 coloca a mão direita no pescoço da nº 2, e sem tirar a mão;
* Esfrega 15 vezes na horizontal;
* Esfrega 15 vezes na vertical;
* Esfrega 15 vezes girando em círculos;
* Terminando, mantém a mão direita parada no pescoço, coloca a mão esquerda no outro lado do pescoço e aperta 15 vezes;
* Após, ambos esfregam, novamente as mãos, respiram uma vez, profundamente e relaxam.
Depois, o nº 2 faz todos os mesmos procedimentos com o nº 1.

Anorexia e Bulimia

A Bulimia Nervosa e a Anorexia Nervosa são os mais conhecidos dos transtornos alimentares, existindo ainda o transtorno do comer compulsivo. A alimentação, nesses casos, torna-se uma válvula de escape para as mais variadas dificuldades emocionais.

Para explicar de forma didática, o ato de comer está relacionado a uma necessidade física e a uma necessidade emocional. Quando nos alimentamos, somamos o prazer oral da alimentação à necessidade do organismo de sais minerais, proteínas, carboidratos, enfim, a toda fonte de energia que precisamos para pensar, agir e amar. Trata-se também de uma necessidade emocional, porque implica em oferecer atenção, cuidado e amor a quem estamos alimentando.

Assistimos a todo o tempo indivíduos utilizando-se da alimentação para preencher espaços vazios em sua vida. Quem não tem uma amiga, um amigo (ou até você mesmo), que já não se empanturrou de chocolate ou de qualquer outra guloseima por estar chateado, triste, principalmente após uma briga de amor? Agora imaginemos essa situação ampliada... Encontramos alguém que não consegue elaborar e expressar suas emoções, trocando essa atitude por comer compulsivamente, por exemplo.

Desde nosso nascimento até a vida adulta, em quase todas as sociedades humanas o aprendizado alimentar é organizado segundo complexas normas que definem o que pode e o que não pode ser comido. Estas práticas estão diretamente relacionadas aos mitos e crenças religiosas, influenciando o comportamento do indivíduo e sua aceitação social. Desta forma a comida relaciona-se à questão do poder e do controle sobre si e muitas vezes sobre os outros.

A pessoa que sofre de Anorexia Nervosa mantém seu peso corporal abaixo do esperado para sua faixa etária, através de abstenção de alimentos que engordam, vômitos e purgações auto-induzidas; algumas chegam a praticar exercícios em excesso sempre objetivando a perda exagerada de peso. Estes sintomas são acompanhados de uma imagem corporal distorcida, o que significa que a pessoa, mesmo sendo magra, percebe-se como gorda e com excesso de peso, evitando alimentar-se para chegar a seu “peso ideal”. Quando falo aqui em peso ideal, não me refiro àquela busca dos três quilinhos a menos, que toda mulher parece estar sempre desejando, mas, a um medo obsessivo de ganhar peso que leva a pessoa a abster-se de comida, colocando em risco a própria vida.

A Bulimia Nervosa se apresenta com uma preocupação persistente com o “comer” e um desejo irresistível de comida; a pessoa sucumbe a episódios de hiperfagia, nos quais grandes quantidades de alimento são consumidas em curtos períodos de tempo. No entanto, tenta neutralizar os efeitos de “engordar” dos alimentos através de vômitos auto-induzidos; abuso de purgantes e períodos alternados de inanição.
A Anorexia e a Bulimia na maioria das vezes caminham juntas, sendo comum algumas pessoas alternarem entre os dois sintomas.

Nesta intensa busca pela perda de peso é comum o uso de anorexígenos e/ou diuréticos ou preparados tireoidianos, tornando-se muitas vezes dependentes dessas substâncias.

No transtorno do comer compulsivo, o indivíduo sofre de ataques de hiperfagia, ou seja, possui momentos onde não consegue parar de comer, tendo literalmente a sensação de que não vai suportar tanta comida. Difere da bulimia, por não provocar necessariamente vômitos auto-induzidos. Geralmente esses acessos de hiperfagia são precedidos por sentimentos de grave tensão e seguidos de relaxamento, embora tudo isso seja acompanhado de culpa e vergonha. A característica central é a dificuldade em controlar o desejo insaciável de comida, sendo comum o surgimento de sintomas depressivos acompanhando o quadro. Outras características importantes são a sensibilidade às críticas, baixa auto-estima, dificuldades em estabelecer relacionamentos íntimos e o crescente evitar atividades sociais devido ao medo de críticas e da rejeição.

A função primária do ato de alimentar-se é, de modo geral, propiciar energia para a manutenção da vida, torna-se nestes casos, secundária e algumas vezes nem é considerada.

Nota-se que os transtornos alimentares ocorrem predominantemente em mulheres. Nesses casos, estão diretamente relacionados à própria identidade feminina, ao seu entendimento de ser mulher no mundo, à sua capacidade de ser gostada, amada e desejada. Para os homens, da mesma forma relaciona-se a questões profundas de sua identidade e auto-aceitação. Talvez isto explique em parte sua grande ocorrência entre os adolescentes, que estão justamente na fase de elaboração destas questões. Uma das características de mulheres que sofrem deste transtorno é possuírem um ideal de beleza inatingível, grande rigidez e capacidade aguçada à crítica a respeito de suas atitudes e das atitudes dos outros.

A influência da relação familiar nos sintomas de dependência alimentar é muito grande, visto o lugar da família como condutor do processo de desenvolvimento emocional, através das relações estabelecidas na Matriz de Identidade, ou seja, em suas primeiras relações. Em todo esse processo existem muitas variáveis que interferem direta ou indiretamente na disponibilidade que a mãe, o pai ou simplesmente o cuidador, terão com esse ser que acaba de nascer. Aqui não estou falando em tempo disponível, tão escasso nos dias de hoje, mas na qualidade das relações afetivas e no clima emocional que essa criança estará vivenciando, que somados às características genéticas inatas, vão interferir diretamente na disponibilidade para a saúde ou para a doença emocional.

Certamente entendemos que estamos falando de um tipo de comportamento que seria atribuído não apenas às questões alimentares, mas a uma ampla rede de cuidados, repletos de desconfirmações às quais a criança é submetida durante toda a infância. Vários distúrbios emocionais de diferentes graus têm sua origem nesta fase do desenvolvimento.
Os registros que a criança passa a ter trazem consigo esta dupla mensagem: amor relacionado ao ódio, prazer misturado ao desprazer, cuidado associado com agressividade - embaralhados e fundidos - estabelecendo um caráter paradoxal nas relações estabelecidas, sobre amar aqueles que lhe fazem sofrer e fazer sofrer como sinônimo de amar. A resposta encontrada pelo dependente alimentar para resolver essa confusão comunicacional, é a autopenalização, fazendo sofrer quem deveria amar.

A anorexia, a bulimia e o comer compulsivo, são transtornos que necessitam de tratamento médico e psicológico, mas a doença traz em si a questão do tudo ou nada, total onipotência ou total impotência para lidar com a situação, o que dificulta em muitos casos que a pessoa peça ajuda psicológica/psiquiátrica.

Muitos que buscam tratamento conseguem chegar a uma consulta médica, mas muitas vezes não conseguem procurar a ajuda psicológica. O medo de falar sobre as dores que o afligem, a vergonha de contar sobre os ataques de hiperfagia, sobre os longos períodos de inanição, sobre o uso de laxantes, dos vômitos auto-induzidos ou mesmo das automutilações, quando ocorrem, levam o indivíduo a se isolar optando por se calar e sofrer sozinho. Infelizmente essa atitude só traz o agravamento da situação.

O sofrimento aparece porque todo este processo de comer em demasia ou não comer traz em si muita dificuldade em aceitar-se, a auto-estima encontra-se muito fragilizada. Geralmente são pessoas que não possuem confiança em si mesmo e nem tão pouco nos outros para entregar-se e permitirem ser cuidados.

Todo esse sofrimento coloca em risco a vida do indivíduo. Precisa parar; e para isso é imprescindível o tratamento médico e psicológico, com a maior urgência. O médico psiquiatra fará o diagnóstico e fornecerá a medicação necessária para ajudar a controlar os sintomas físicos, e o Psicólogo, através da psicoterapia, ajudará o indivíduo a trabalhar sua auto-estima e capacidade de cuidar da si, aprendendo a nutrir-se de auto-aceitação e afeto. Seus mitos e verdades sobre si mesmo serão checados ajudando-o a reconstruir sua história de forma mais positiva e generosa. Esta parceria medicamentosa e psicoterápica é muito importante para a resolução do problema e é a que traz os melhores resultados.

Por: Sirley Bittú: Psicóloga, psicoterapeuta e psicodramatista especializada no atendimento individual e grupal.

Que tipo de Talento as Empresas Procuram

Que tipo de talento as empresas procuram?

Será que sou um talento para a minha empresa - clique aqui

Por Roberto A. Santos

A origem do termo 'talento', vem do Império Romano e representava uma moeda muito valiosa e mais tarde passou a significar as qualidades e virtudes especiais que diferenciam algumas pessoas da maioria de seus semelhantes num determinado campo.

O uso amplo e freqüente desta expressão pelas empresas é relativamente recente, talvez uma década aproximadamente. Anteriormente, se falava no "melhor funcionário do mês", aquele que cumpria todos procedimentos e executava suas tarefas com esmero e dedicação. Mais tarde, passou-se à busca dos funcionários de alto potencial: aqueles que, de acordo com algumas bolas de cristal de R.H., poderiam ocupar posições dois ou mais níveis acima da atual, em um período relativamente curto.

Mais recentemente, provavelmente pelo achatamento e desidratação das estruturas, e pela necessidade de se fazer muito mais com menos pessoas, as organizações passaram a focar nos colaboradores que se destacavam nos dois aspectos: desempenho e potencial, e estes passaram a receber a comenda de "Talento" a ser atraído, desenvolvido, adulado e retido como tesouro.

Independente da provável imprecisão histórica dessa análise, o fato é que muitas empresas se entusiasmaram com abordagens darwinistas, como aquela amplamente divulgada pelo líder herói da G.E., Jack Welch, para gerir seus talentos. O modelo propõe quatro quadrantes, cruzando desempenho e alinhamento aos valores corporativos e, depois, por escolha forçada, identificar os 10 a 20% das pessoas que caíram no quadrante inferior em ambas variáveis. Estes infelizes teriam que ceder espaço para pessoal externo ou trainees da empresa. Os colaboradores do quadrante superior, também limitado a uns 10%, carimbados como talentos, passaram a ser considerados como o principal ativo das organizações.

O mundo empresarial começou a ser cindido entre talentos e os outros. Estes, recebem apelidos marcados pelo eufemismo como: sólidos contribuidores individuais ou técnicos insubstituíveis, para disfarçar o rótulo mais impiedoso que comunicariam: "Você chegou ao final da linha."

Todos queremos acreditar que estamos longe do beco sem saída de nossa carreira e que podemos entrar no paraíso dos talentos. Neste éden corporativo, bônus especiais, concessão de ações, aumentos de mérito, programas de desenvolvimento, mentores e coaches esperam com tapete vermelho e tudo mais. Então, vale a pena descobrirmos se somos, ou podemos vir a ser, um ente desta magnitude na organização onde atuamos. Vamos a um check-list que pode ser útil para alguns dos leitores:

Será que sou um talento para minha empresa?

1. Quanto eu conheço sobre minha organização: seu histórico, negócio, cultura, concorrência, resultados, visão de futuro e valores? Geralmente, acredita-se que aquilo que for importante será comunicado pela empresa. O "associado-talento" não conta com isso. Ele ou ela vai atrás das informações para ampliar e refinar sua imagem e conhecimentos sobre ela.

2. A empresa já definiu as competências consideradas chave para seu sucesso? Lembrando, competência é o somatório dos conhecimentos, habilidades e atitudes que os funcionários devem ter para viabilizar a visão e metas organizacionais. Caso ela não o tenha feito formalmente, cabe ao candidato a talento buscar pistas, conversando a esse respeito, com pessoal bem-sucedido, que conhece a empresa há mais tempo, preferencialmente, em posições de liderança, para descobrir o que é valorizado ou execrado no desempenho das pessoas: trabalho em equipe ou destaques individuais, precisão ou velocidade, etc.

3. Como funciona o processo de avaliação de desempenho na empresa? Avalia-se apenas o que se faz ou também o como - em especial as competências interpessoais? E o sistema de avaliação é o tradicional, em que o chefe avalia e o avaliado deve engolir sem reclamar? Ou há oportunidade de auto-avaliação? Ou ainda, existe algum sistema de avaliação 360°, onde chefe, subordinados, pares (inclusive clientes internos e externos), além do avaliado participam do processo? Como você se prepara para estes processos?

4. Aí vem o mais importante: o quanto você está se preparando em relação aos critérios e processos acima, para revelar-se como talento para sua organização? A autocrítica que possibilita o autoconhecimento e autodesenvolvimento é a marca registrada que diferenciam os talentos dos normais, aqueles que ficam sob a área maior da Curva de Gauss, bem abrigados, porém sem o destaque da extremidade superior.

5. O que é que você tem feito para desaprender aqueles velhos conceitos e hábitos para poder adquirir outros mais novos e eficazes? A abertura para ou a busca ativa de feedback em modo regular, seguido de seu processamento genuíno e sincero, é uma forma básica de ampliarmos nosso autoconhecimento e iniciativas para corrigir ou acelerar nosso curso na direção correta.

6. Outro atributo que diferencia os talentos é sua disposição de encarar desafios, rotações de cargo e até de cidade, projetos especiais, mesmo se não acompanhados de aumentos salariais ou outras vantagens financeiras. A disposição não bajulatória para cooperar, correr riscos e se empenhar ao máximo nessas situações, geralmente concedem o passaporte para a viagem ao mundo encantado dos talentos.

7. Agora, atendidos os itens anteriores, resta estar alerta para os sinais da organização quanto à sua própria mobilização, desempenho e iniciativas. Você tem sido chamado a opinar sobre assuntos importantes de sua área? Você vem sendo incluído em forças tarefa e equipes de projeto? Tem recebido reconhecimentos formais ou informais de seus superiores? Se estiver no lado positivo desta questão, provavelmente está no caminho certo.

Finalmente, talento é o produto resultante da competência multiplicada pela paixão pelo que se faz. O primeiro elemento da equação, com relativo esforço, poderá ser desenvolvido. Porém, o segundo depende de motivação interna, aquela energia que lhe garante orgulho e realização profissional e pessoal ao vencer os desafios mais difíceis. Essa motivação até pode ser abalada ou apagada por gestores medíocres, mas apenas você tem o poder de acendê-la.

Fonte: www.uol.com.br (Vya Estelar)

abril 07, 2005

O que Realmente Somos?

O que realmente somos?

Podemos afirmar que o nosso corpo físico é somente um veículo para manifestarmos o nosso padrão de consciência aqui nesta realidade. O mesmo acontece com o nosso veículo emocional e mental...Tudo nos pertence, mas não necessariamente somos Nós.

Somos um padrão de consciência superior, que para atuar nessa realidade vibracional mais densa necessita de veículos apropriados para a sua manifestação. Os padrões vibracionais existentes desde a fonte até a nossa realidade são muitos e em cada um deles existe um veículo ou ponte que nos interliga, que nos une, até que os padrões de consciências existentes em cada faixa vibracional possam interagir e formar a manifestação na Terra. Achou complicado? Pois é dessa maneira que funciona.

O Físico Jack Sarfatti, através da Teoria da Realidade Multidimensional, sugere que todas as coisas são mais ligadas e os acontecimentos mais correlacionados num plano de realidade acima do nosso e que nesse plano, as coisas estão ligadas por meio de um plano mais elevado. Assim, cada vez mais atingindo um plano de consciência maior.

Desta maneira, podemos afirmar que além de não sermos os nossos corpos físicos, emocional e mental, também não somos a nossa consciência, pois essa é o veículo da manifestação divina nesta realidade...Podemos desta forma concluir que somos a maneira utilizada pelo divino de se manifestar aqui na Terra. Ao invés de perguntarmos “O que realmente somos?”, devemos nos perguntar “Como devemos manifestar a divindade nesta realidade?”.

Em 1964, o físico J. Bell, publicou uma prova matemática que sustenta o conceito de que partículas subatômicas estão ligadas de um modo que ultrapassa o espaço/tempo, de sorte, que o que acontece numa partícula interessa as outras, e esse efeito não precisa de tempo para ser transmitido, pois ele é imediato. Sendo assim, estamos intimamente ligados, sabendo que o que acontece com o próximo reflete em mim e vice e versa, pois somos apenas UM, todos Unidos somos a maneira que a divindade tem de atuar nessa realidade.

“O Universo é um conjunto inseparável, uma extensa teia de possibilidades que interagem entre si”.

O Universo funciona da mesma maneira que nós (Lei da Correspondência - 2º Lei Hermética) A perspectiva da Terra normalmente nos impede de enxergar outros domínios acima e abaixo de nós. A nossa atenção está tão concentrada no microcosmo que não percebemos o imenso macrocosmo à nossa volta. O principio de correspondência diz-nos que o que é verdadeiro no Universo é também verdadeiro no ser humano e vice-versa. Para aprendermos mais sobre o Universo, basta estudar o Universo existente em cada um de nós, quanto mais nos aperfeiçoarmos para receber as informações que nos são enviadas, mais estaremos contribuindo para o nosso desenvolvimento como ser humano, a nossa evolução como seres espirituais e crescimento interno como seres universais.

Por Rogério Pires
Terapeuta e Psicoterapeuta Holístico - CRT 37461
Presidente do Grupo Phatae

Em Que Ano Nasceu Jesus Cristo

"Em que ano nasceu Jesus Cristo?"

Este artigo foi publicado em 1993 na Revista Tierra Santa. Esta revista, de publicação bimestral, é publicada em Jerusalém e traz sempre artigos referentes à situação atual da Igreja Católica em Israel, bem como artigos focalizando assuntos bíblicos. Nós, da Catedral Metropolitana de Goiânia, tivemos autorização de difundir os artigos bíblicos contidos na Revista. Isto para que sejam conhecidas algumas opiniões abalizadas sobre o estudo da Bíblia Sagrada. O texto, "Em que ano nasceu Jesus?" foi escrito pelo Pe. Ariel Alvares Valdés. A tradução é de Mons. Nelson Rafael Fleury, da Arquidiocese de Goiânia.

Em que ano nasceu Jesus?

1- Quando Jesus veio ao mundo, ninguém o estava esperando. Embora o seu nascimento tenha sido anunciado durante séculos pelos Profetas e tenha sido esperado anciosamente pelo povo e pelos dirigentes de Israel, passou completamente desapercebido que nem lhe registraram a data.

2- Depois da morte de Jesus os primeiros cristãos não se deram ao trabalho de saber a data do seu aniversário, já que estavam preocupados somente em sair a pregar o Reino que ele acaba de fundar. E, nesta missão, se empenhou a Igreja durante séculos, sem se interessar pelos detalhes históricos da vida de Jesus.

3- Que calendários seguiam os cristãos daquela época? Estavam vivendo no Império Romano e, por isso, seguiam as determinações de Roma. O calendário romano contava o tempo a partir da fundação da cidade de Roma. Marcavam o ano com as iniciais U.C. (Urbis Conditae), isto é, ano tal, a contar da Fundação da Cidade (Cidade com C grande: Roma).

4- Com o advento da "Cristandade", muitos começaram a pensar que a fundação de Roma, que fora pagã durante os primeiros 1000 anos de sua existência, não poderia ser o marco mais adequado para começo da computação dos novos tempos. O nascimento de Jesus, sim, deveria ser tido como o acontecimento central da história da humanidade. A idéia se fortaleceu quando, 450 anos depois de Cristo, o Império Romano desmoronou diante da invasão dos Bárbaros. Não havia nenhuma relação entre o cristianismo e o Império Romano. Tornava-se necessário um novo calendário que tivesse como eixo central a pessoa de Jesus Cristo.

5- Foi quando se deram conta de que ninguém sabia o dia, o mês, nem sequer o ano do nascimento de Jesus. Os autores do Evangelho haviam omitido este detalhe. Os Evangelhistas contam episódios da vida de Jesus que foram compilados em cima de uma catequese oral anterior e estes escritos nunca tiveram a pretenção de dar uma cronologia exata da vida de Cristo.

6- Então surgiu um monge chamado Dionísio. Era natural da cidade de Escita, região da atual Rússia, mas viveu quase toda sua vida em Roma. Tinha o apelido de "Exíguo", isto é: pequeno. Talvez por ser de baixa estatura ou, o mais provável, ele se tenha dado este nome por humildade, considerando-se o menor de todos. Era um dos homens mais eruditos de sua época. Brilhante teólogo, foi grande conhecedor da história da Igreja e especialista em cronologias. Foi autor de uma célebre coleção de decretos dos papas e decisões dos Concílios, com valiosos comentários próprios. Este monge decidiu enfrentar essa colossal empresa de calcular o nascimento de Jesus Cristo. Contava com algumas informações úteis extraídas dos Evangelhos. Assim, do Evangelho de Lucas, tomou o dado de que ao começar sua vida pública "Jesus tinha uns 30 anos" (Lc 3,23). Era um bom começo. Em que ano, porém, Jesus começou sua vida pública? Alguns versículos antes, estava a resposta: "No ano 15 de governo de Tibério César" (Lc 3,1). Confrontando imensas tabelas de datas e cronologias, Dionísio deduziu que o ano 15 de Tibério, quando Jesus iniciou a sua pregação, correspondia ao ano 783 U.C. (783-30 = 753). Deste modo, o ano 754 u.C. seria o ano 1 depois de Cristo; o ano 755 U.C., ano 2 d.C., e assim por diante. Neste novo calendário, a fundação de Roma (que era o ano 1 u.C) passa a ser o ano 753 a.C. E o próprio Dionísio que estava vivendo no ano 1279 u.C., passou a viver no ano 526 da era cristã (1279-753=526). O novo calendário teve um êxito extraordinário: imediatamente foi aplicado em Roma; depois, na Inglaterra, França. Mas tarde pela Espanha e, em 1422, chegou a Portugal. No final da Idade Média já estava generalizado para todas as partes. Dionísio morreu no ano 540 d.C.

7- Mas houve um equívoco na computação de Dionísio. O Evangelho de Mateus traz o dado, não considerado por Dionísio, de que Jesus veio ao mundo "no tempo do Rei Herodes" (2,1). E, pelo escritor e historiador romano Flávio Josepho, contemporâneo de Cristo, sabemos que este rei morreu no ano 4 a.C., poucos dias depois de um eclipse da lua ocorrido em 12 de março daquele ano. Portanto Jesus deve ter nascido pelo menos 4 anos antes do ano fixado por Dionísio.

Pergunta-se: Jesus nasceu quanto tempo antes da morte de Herodes? Se o acontecimento dos Reis Magos do Oriente, relatado em Mateus, 2, é substancialmente histórico, podemos deduzir que, quando os Magos chegaram, eles encontraram Herodes são e morando em Jerusalém. Ele os recebeu, fez suas investigações e gozava boa saúde, tanto assim que prometeu que ele mesmo iria visitar o Menino, depois das informações dos Magos. Em contra partida, sabe-se pelos dados históricos que o velho monarca, quando sentiu sua saúde piorar, foi para Jericó, para as Termas de Calíore tomar os banhos curativos. Como não obtivesse melhora, voltou para Jericó, onde morreu pouco depois. Esta viagem de Herodes se deu em novembro do ano 5, no começo do inverno. Aí vamos ter que acrescentar mais meio ano aos 4 anos já contados e chegaremos à metade do ano 5 a.C. para o nascimento de Jesus. Quantos anos teria Jesus, quando ocorreu o massacre dos inocentes ordenado por Herodes, diante do medo de que o menino viesse tomar-lhe o trono, como Rei de Israel? Esta é a terceira adição que devemos fazer. Depois de calcular a data do nascimento de Jesus, Herodes mandou matar todos os meninos "de dois anos para baixo" (Mt 2,16) ainda que o rei tenha alargado o espaço para não lhe escapar a presa, pode-se razoavelmente pensar que Jesus já teria naquelas circunstâncias de 1 ano a ano e meio. Muitos autores antigos dizem que Jesus já tinha 2 anos. Também alguns evangelhos apócrifos dão esta idade para o menino quando ocorreu a matança dos inocentes. E algumas pinturas das catacumbas representam Jesus já bem crescidinho. O próprio Evangelho de Mateus diz que os Magos encontraram a Sagrada Família vivendo "na casa" (Mt 2,11) e não na Gruta do Nascimento, como costumamos representar nos nossos presépios. Somando esta nova margem de tempo a nossos cálculos anteriores, já estamos entre o final do ano 7 e meados do ano 6 a.C. – Só nos falta um dado: o tempo que decorreu entre a vinda dos Magos e a doença de Herodes. Porém este espaço parece que não deve nos afastaríamos bastante da idade que Lucas dá a Jesus, no começo de sua vida pública: Jesus "tinha uns 30 anos". E uma data aproximativa: ao redor dos 30 anos. Se nós dilatarmos muito o espaço entre a vinda dos Magos e a doença de Herodes, Lucas deveria ter dito que Jesus "tinha uns 40 anos". Portanto, a data provável do nascimento de Jesus é o ano 7 a.C. E, ao começar sua vida pública, Jesus teria uns 34 anos.

8- Alguns estudiosos tentam chegar à data do nascimento de Cristo, mediante o recensiamento por Lucas, o qual teria sido ordenado por Quirino e que motivou a viagem de José e Maria, de Nazaré até Belém (Lc 2,1), mas este caminho não é aceito cientificamente por causa do caráter fragmentário das informações históricas sobre Quirino e, principalmente, pelo fato de que nenhuma fonte histórica mecionada qualquer tipo de recenseamento nos tempos do rei Herodes.
Em conclusão: pelos dados que temos, fundados nos Evangelhos e nas fontes históricas, devemos afirmar que Cristo nasceu no ano 7 a.C.!...

9- Esta frase, sem si paradoxal e contraditória: "Cristo nasceu no ano 7 a.C." despertou em muitos a idéia de reformar o nosso calendário atual e ajustá-lo com maior precisão ao nascimento do Salvador. Para isto se propõe ajustar os 7 anos omitidos nos caldulos de Dionísio. Assim, em vez de estarmos no ano de 1995, já estaríamos no ano 2002 (atualmente – 1999 - estaríamos em 2006). Ainda que atraente em sua intenção, esta proposta é impraticavel. Todos acontecimentos históricos estão datados com esta defasagem de 7 anos. Se quiséssemos trocar das datas, corrigindo esta defasagem, além de ser um trabalho colossal seria, ainda, um verdadeiro quebra-cabeça. Como colocar aos estudiosos que Júlio César não morreu no ano 44, mas em 37 a.C.? e que a Primeira Guerra Mundial não foi em 1914, mas em 1921? E o que seria dos estudantes que decoraram as grandes datas da humanidade: descobrimento da América não mais em 1492 e sim, em 1499? O descobrimento do Brasil em 1507? Além do mais, esta iniciativa seria sem sentido, porque assim como está, o atual calendário cumpre perfeitamente o objetivo do Dionísio: recordar perpetuamente que, com a vinda de Cristo ao mundo, a história ficou dividida em duas partes: antes de Cristo e depois de Cristo. Que Jesus Cristo é o eixo do tempo em torno do qual gira todo acontecimento humano. Como este projeto pedagógico, os anos discordantes não afetam em absoluto o objetivo primeiro do Grande Monge Dionísio, o pequeno...

10- Podemos agora fazer a seguinte pergunta: Existe realmente o ano 2000? Dentro de mais cinco anos o mundo inteiro estará celebrando a chegado do ano 2000, a era do 3º milênio. E já começaram a aparecer os fatídicos agoureiros com suas profecias do fim do mundo, vaticínios sobre catástrofes que acontecem nos fins dos milênios e o ingresso de uma nova era regida por certos signos zodiocais. Isto não é de se estranhar. Nos manuais de história se conta que, quando o mundo ingressava no ano 1000 d.C., também se levantou por toda humanidade medieval um rumor de catástrofes e de desordens cósmicas que se espalhou como fogo, amedrontando as populações e transtornando a vida de milhares de pessoas. Agora estamos pra igressar em novo milênio. É natural que voltem a acontecer estas atitudes atávicas. Mas, pelo que expusemos até agora, existe realmente o ano 2000? porque, se o Calendário de Dionísio é seguido nas relações internacionais, muitos paises e grupos religiosos não seguem este calendário.

Para 19 milhões de judeus estamos no ano 5755; para 900 milhões de muçulmamos, acabamos de entrar no ano 1415. Para os Persas muçulmanos do Irã, o ano é de 1374; Os japoneses de religião shintoista vivem o ano 2654; milhões de devotos de certos credos da Índia estão no ano 2052, e os chineses confucionistas vivem o ano de 2545. Até mesmo entre os cristãos não existe unanimidade na computação dos anos: os Coptas estão no ano 1711; os Sírios, no ano 2306; os Armênios, no ano 1441. E se até nos católicos, que somos 900 milhões estamos vivendo um calendário defasado de 7 anos do verdadeiro início da era cristã, podemos perguntar: quando realmente vamos entrar no ano 2000? Para qual grupo já chegou ou ainda vai chegar a fatídica data?

O ano 2000 não existe!

É simplesmente um acordo convencional para colocar Cristo no Centro da história da humanidade. Por isso é absurdo pensar que possam acontecer desgraças calendáricas com a aproximação da data. Graças ao humilde monge Dionísio, Cristo está presente em nossos almanaques, em nossas folhinhas e agendas. Embora quase sempre a gente não tenha consciência do fato, todas as vezes que datamos a correspondência, assinamos um recibo, firmamos uma ata ou um documento, preenchemos um cheque, estamos recordando a vinda do Salvador Jesus a este mundo. Cristo é o centro de nossa história. Conseqüentemente devemos viver de tal maneira que também, no nosso dia-a-dia, Ele seja o centro de nossa existência.

Texto de Pe. Ariel Alvarez Valdés, extraído da Revista Tierra Santa.
Adaptação: Mons. Nelson Rafael Fleury